domingo, 20 de março de 2011

Moradia na Austrália: o passo a passo para alugar um imóvel!

Em busca de placas com anúncios...

Meu flat: bonitinho, mas ordinário e caro!


Fully furnished: quarto azul, com vista verde!

Quem vem do Brasil para a Austrália não imagina o quão diferente é o processo de alugar um imóvel por aqui. A gente chega mal acostumado, imaginando que os corretores vão ficar no nosso pé, telefonando, oferecendo mil opções. Esperamos que eles nos busquem com seu carros e nos levem até os imóveis que têm disponíveis, e que, no fim, depois de nos fazermos de difícil, possamos optar pelo que mais nos agradou. Tsc, tsc, tsc, quanta ilusão...

Aqui funciona de forma exatamente oposta. São escassos imóveis disponíveis para locação, porque cidades como Melbourne e Sidney são procuradíssimas pelos migrantes e há menos moradia disponível do que pessoas interessadas em alugá-las. Como resultado, custos com moradia são bem altos. Flats de um quarto custam no mínimo $350,00 por semana, sem incluir conta alguma. Assim, tem muita gente dividindo flats (shared accommodation) ou morando em Homestay, as casas de família. Complicadores extra (além do preço) para se conseguir um imóvel, são restringir a busca por contratos menores do que um ano (6 months lease) e a procura por imóveis mobiliados (fully furnished).

Mas não é preciso se conformar e trazer uma barraquinha de camping, ou pensar em comprar um trailer, opções que eu juro que passaram pela minha cabeça! Com informação, dedicação e sorte, é possível sim fazer um ninho gostosinho por aqui! Com apenas duas vistorias a imóveis e uma única aplicação, eu consegui um flat mobiliado, por apenas seis meses! Então, cabe a mim aqui prover toda informação aos viajantes, para que consigam o mesmo. Sugiro seguir cada passo descrito neste post, mas, só por precaução, aconselho também trazer na mala, um macinho de arruda, com um pé de coelho!

Não é possível alugar um imóvel anunciado no site da imobiliária, estando no Brasil. Eu e o Mário reservamos uma casa de família, uma homestay, por duas semanas para a chegada. Foi uma excelente escolha! Para nossa sorte, a família era uma mãe judia brasileira, a Raquel  e seu filho, Kaíque, duas pessoas supersimpáticas e que nos deixaram nos sentindo em casa! Fica a dica aqui para quem quiser agendar uma estada com eles: raquel.zalmon@gmail.com! Quem preferir algo mais alternativo, vale buscar pelos albergues e backpakers. O site da HostelBookers é em português, bem fácil de navegar e tem sempre promoções de albergues. Vale conferir!

Resolvida a acomodação provisória, vamos ao passo a passo para encontrar um teto definitivo. Para alugar um imóvel na Austrália, é preciso:

1)      Aplicar via online aos imóveis:

É preciso fazer uma busca pela internet em um dos seguintes sites: Domain; Real State ou Gumtree . Neste último, às vezes se consegue contatar os próprios landlords e alugar o imóvel sem intermédio de uma imobiliária.

2)      Ir a muitas inspections:

Após selecionar os imóveis que mais agradaram, é necessário comparecer à chamada Inspection, uma visita agendada pelas imobiliárias, os Estate Agents, que não dura mais do que 15 minutos e ocorre geralmente, uma vez por semana, a critério da imobiliária. Nas inspections, você e a torcida inteira do Corinthians podem estar presentes ao mesmo tempo, uma vez que todos os que selecionaram a propriedade pela internet podem comparecer. Geralmente, os interessados preenchem um pequeno formulário virtual pelo próprio link do imóvel no site e o corretor envia um torpedo (sim, fundamental já ter um celular a esta altura!) confirmando o horário e local da inspection. É aconselhável ir a várias inspections, para ter chance maior de conseguir um imóvel que agrade e de ser o “eleito” pelo proprietário.

3)      Como aplicar aos imóveis:

Durante a visita, todos os que se interessarem pelo imóvel recebem Application Forms  e devem preenchê-las e enviá-las (pode ser por email) acompanhadas de todos os documentos requeridos, o quanto antes (no mesmo dia, se possível). Entre os documentos que eles solicitam estão:

a) Cópia do passaporte – com o visto; b) Comprovante de fundos que atestem a capacidade de arcar com o aluguel (bolsa de estudos que vai receber, salário de empregador, extratos de contas no Brasil e/ou Austrália); c) Carta de comprovante de vínculo na Austrália, algo como carta de escola de inglês, Fellowship da Universidade, ou contrato de trabalho; d) Carta de Recomendação – pode ser um parágrafo escrito e assinado por alguém com quem tem contato na Austrália – algo como um “fiador moral”, que não vai pagar suas dívidas, mas que põe a mão no fogo por você. Ele deve justificar o seu caráter e responsabilidade ao state agent. Estes requerimentos podem variar um pouco de acordo com a imobiliária, mas em geral esses são os documentos básicos.

Devo assumir que mesmo com todos os documentos em mãos, resolvi incluir mais um por conta própria: e) uma carta de apresentação. Sim, escrevi uma pequena redação contando como eu e o Mário somos confiáveis, certinhos e caretas, para assegurar que seríamos vistos como “tenants”, ou inquilinos de ouro! Escrevi que somos pessoas com formação universitária (pega bem contar que o Mário é médico e eu psicóloga!), que não fumamos, não temos kids ou pets, que vamos cuidar com carinho do flat e ainda deixar algumas appliances (novas aquisições, como panelas, etc..) para o proprietário, o landlord. Assim, não teriam dúvidas quanto ao estado do flat em nossas mãos.

4)      Estar preparado para arcar com o Bond, o caução da Austrália:

Tendo enviado toda papelada, confirmado com o corretor o recebimento dos mesmos e feito algumas rezas bravas em paralelo, é possível que no dia seguinte o corretor telefone (sim, é necessário conseguir falar e entender, o que é o mais preocupante , o inglês rápido e com sotaque aussie do corretor!) para confirmar que o proprietário aceitou sua aplicação. A felicidade de escutar esta frase é semelhante à de escutar que você passou no vestibular. Entretanto, assim que escutar o valor do “Bond”, o depósito inicial que terá que fazer ao “fundo de bonds”, requerido pelo seu landlord, a euforia poderá virar depressão. Alguns proprietários exigem o depósito de um a dois aluguéis adiantados – como uma garantia, um caução – caso o inquilino danifique o imóvel, não pague os aluguéis, ou quebre tudo. No final do seu contrato (deve-se avisar a imobiliária com 30 dias de antecedência), o estate agent faz uma vistoria ao imóvel, e caso esteja tudo certinho, devolvem o seu bond em duas semanas! Então, esteja preparado para arcar com essa pequena fortuna inicialmente!

5)      Fechar o contrato:

Após ter depositado o Bond na conta fornecida pelo estate agent, resta comparecer no horário agendado com o corretor para assinar o contrato e pegar as chaves do imóvel. A conversa toda não leva mais do que 20 minutos e talvez você não entenda metade do que o corretor apressado te disser. A dica é repetir, ou dizer o que acha que ouviu, na sequência, para confirmar as informações, e depois anotar tudo! Tenha sempre o email do corretor a mão, porque o google pode sempre dar aquela forcinha na comunicação. Já ao vivo...

Caso seu studio (quarto, sala, cozinha, tudo junto), flat (cômodos separados) ou house (bom, todo mundo sabe como é uma casa!) não seja mobiliado, a dica é ir a uma “Second  Hand House", os brechós. Aqui são muito populares e têm de tudo, usado, por muito pouco.

Com tudo isso, resta torcer pra ter feito a escolha certa e gostar do imóvel que escolheu, porque aqui a coisa é meio como um casamento indiano, meio arranjado, por conveniência. Mal se vê o noivo e já é preciso dar dotes e se casar... So far, o meu casamento está dando certo! Cabe a mim agora, deixar meus votos de que você também encontre a felicidade no imóvel que aceitar a sua proposta!

11 comentários:

Clarinha disse...

Parabéns pelo blog, Marina, e pelas excelentes dicas: de como alugar um imóvel e se virar nos 30 a la jeitinho brasileiro! beijos

Marina disse...

Obrigada pelo comenário!

O jeitinho é uma herança bem-vinda da terrinha, tem que ir na bagagem de mão pra todo canto com a gente! rsrs Espero que você continue curtindo o blog!

Bjos!

Maycon disse...

Otimas dicas....

Muito Obrigado!

Marina disse...

Espero que as dicas te ajudem a se virar melhor por aqui Maycon!

Tendo dúvidas ou querendo outras informações, entre em contato por email, que tento te ajudar!!
Bjs!

Gustavo disse...

Muito boas dicas Marina! Serão muito úteis! Eu e minha namorada estamos nos mudando para mel este mês e gostariamos de alugar algo no suburbio de camberwell. Estamos em dúvida sobre flat, unit, apartamento, studio e sobre localização. Tem alguma recomendação? Outra coisa, alguma dica sobre lugares pouco barulhentos e calmos? :) Obrigado!

Marina disse...

Oi Gustavo!

Que bom que curtiu as dicas! Tenho certeza que lhe serão muito úteis quando estiver em Melbourne! Lembre-se de consultar novamente o blog quando chegar lá! ;=D

Vou te confessar que não conheci Camberwell, pq fica um pouco afastado da cidade. Eu te recomendaria ficar mais próximo...

St Kila East é o bairro ideal na verdade! Próximo das ruas Balaclava, Fulton St, the Avenue, tudo ali é agradável e tranquilo!! Malvern, Caulfield e em muitas travessas da ST KIlda Road, tbém é bacana morar!! tambMorar em flat é mais barato e confortável. Studio é claustrofóbico e os aptos são muitoooo caros!!

Lembre-se: Melbourne é muito fácil de se morar!! Tudo fica a uma curta viagem de tram ou trem, e o centro não é caótico com Londres, por exemplo! Mesmo que esteja perto do centro, terá sossego!!
Qualquer coisa, escreva por email também!

Boa sorte aos dois!

Beijos!

Anônimo disse...

mariana sou tercio e talvez proximo ano eu e minha amiga vamos morar ai vamos fazer o ano 12 e faculdade,tamos procurando um ap mas não achamos nenhum com um preço bom e rasoavel nossas familias não são ricas e não pode pagar o mais caro pra mim,quero algo simples voumorar em melbourne eu e minha amiga dividiremos o valor do ap meio a mei não quero nada tão agitado quero um ap perto de colegios publicos fiquei sabeno que tbm são muitos bons por favor me ajude to pra ter um treco aqui

Marina disse...

Oi Tércio.

Dê uma olhada nos links desta postagem; tem várias opções de como encontrar virtualmente uma moradia barata. Estes links de acomodação provisória podem ajudar!!

O ideal é chegar numa homestay ou albergue e depois, ir em state agents - imobiliárias, para ver o que está disponível para inspections - visitas e applications - p/ vc se candidatar ao im´óvel!!

Veja este outro link tbém: http://www.homestayfinder.com/homestay/Australia.aspx?gclid=CKTW7ZfmubECFQGFnQodrg8APQ

P/ um casal, difícil gastar menos do que 500, 600 $ só com um aluguel de flat!! Boa sorte!!!

Anônimo disse...

Oi Mariana.

Gostaria de saber, sobre as dificuldades que encontrarei para ir á Austrália. Qual o melhor jeito, se me matricular em algum curso de inglês, pois o meu inglês não é muito bom, quero trabalhar para arcar com as despesas, e quero ficar o maior tempo possível.

Obrigado.

Michel.

Anônimo disse...

Amigo,to querendo ir pra Austrália e me interessei pela homestay da Raquel,quanto custa uma pessoa com café e jantar ou só café ou sem refeições?tem quarto privativo com banheiro?ou o banheiro é compartilhado com toda família?e o mais importante...que área fica a casa da Raquel?perto de que atração?obrigado pelo seu tempo,Marcos.

Anônimo disse...

Parabens pelo blog, Mariana.
estava pensando seriamente em morar na Austrália com minha familia (esposo + 2 filhos de 2 e 6 anos)... mas perquisando as postagens na internet. vejo que será mt difícil pela condição financeira. Eu gostaria de te pedir maiores informações sobre morar aí, teria algum email?

Diane