segunda-feira, 13 de junho de 2011

O caloroso inverno de Melbourne!

Light Hearts, para iluminar as longas noites...

A fogueira, para aquecer todas as tribos!

Jazz, para incendiar a praça!

E a chegada de mais um ao clã, para aquecer de vez o nosso inverno!

Para aquecer nossos corações no frio gelado de Melbourne, só duas coisas poderiam acontecer: 1. Um Festival bem quente ou 2. Uma notícia muito calorosa! E aconteceram as duas.


Na cidade dos festivais, a Federation Square mais uma vez se tornou o palco dos eventos. Começou em dois de junho e vai até dia três de julho, o festival Lightin the Winter, que acontece todos os anos, cada vez com um tema diferente, para espantar o baixo astral típico do inverno. O tema deste ano é o fogo, muito bem representado por uma fogueira colocada na praça. À noite, pessoas se reúnem em volta da fogueira para cantar com músicos que embalam canções bem conhecidas do público, em ritmo de acampamento. E nesse espírito de acampamento são realizadas diversas atividades a seu redor: danças, performances, histórias sobre aborígenes, teatro. Tudo para acender o calor humano.



Também foi construída uma pirâmide de luzes, chamada Light Hearts, com 13m de altura por 17ms de largura, bem no meio da praça. O espaço é público, aberto, transitório, como as estações do ano. Cada dia que passo por lá, algo mudou, as cores de sua fachada, a disposição dos objetos – sofás, tapetes, luminárias, o público. Dentro da pirâmide acontecem workshops artísticos, entre os quais um que ensina a arte de fazer lamparinas. Lamparinas que estão sendo anexadas à estrutura da pirâmide aos poucos, para o catártico dia 18.



No próximo sábado, dia 18 de junho, será celebrado o Solstício, o momento em que os dias passam a ser mais longos novamente, dando a largada para a contagem regressiva para a primavera. Na prática, significa que a cada dia, o pôr do sol será dois minutos mais tarde do que no anterior, o que no caso será às cinco e dois da tarde; cinco e quatro no dia 19, cinco e seis no dia 20, numa sequência longa, mas que nos traz esperança e coragem de enfrentar os três longos meses de frio que ainda vamos encarar. A celebração é uma parada, um desfile, com centenas de pessoas portando suas hand-made lanterns, numa festa com muita música e dança.

Também no espírito de agitar a cidade e espantar o frio, o festival internacional de jazz invadiu o palco da Fed Square. Bandas de diferentes países incendiaram o centro da cidade e fizeram o público dançar (ou pelo menos estalar os dedos) para suportar o frio a céu aberto.

Fogo, danças, ritmos, uma pirâmide, povos aborígenes; um festival bem arquetípico, bem primitivo, porque apesar de estarmos no primeiro mundo e no séc XXI, ainda somos seres em evolução, à mercê das mesmas forças que nos moldaram para chegar aonde chegamos. E reunir a tribo em torno do fogo, com nossos símbolos e rituais de celebração pode ter sido o que nos garantiu chegar tão longe na história e no mapa...

Mas, o que de mais poderoso poderia acontecer para nos fazer ferver de emoção, aconteceu bem longe da Federation Square, em terras tupiniquins e na tela do meu skype. A chegada hoje, de mais um membro para nosso clã veio marcar o início do meu Solstício. E é a 88 dias de voltar para casa que começa minha contagem regressiva, para conhecer o pequeno Vítor, essa faísca de gente que veio ao mundo para aquecer nosso inverno.

2 comentários:

Anônimo disse...

O tempo que passa molda a vida que fica para sempre impressa na tela gigante de nossa memória. E o inverno em Melbourne, em Manchester, em Middlesbrough, fundiram-se em uma só marca, profunda e indelével, nas suas almas andarilhas. Mas acho que todas as sensações de todas as estações de todos os anos que virão, serão fixadas em seus corações com a cola do amor que Vitor trouxe de novo, Nicholas também trouxe, e os pequenos sempre trarão para todos nós.
Um grande beijo, Ma&Ma.

Mariana Neder Petrini disse...

Marina e Mauro, tudo bem?
Fiquei muito feliz ao encontrar esse blog... ainda mais porque estou indo passar 1 ano e meio com meu namorado em Melbourne.
E depois entao que soube do Nicholas e do Vítor, achei mais legal ainda! Ambos nasceram fora do Brasil?!
Vocês são viajantes...assim como nós! Mto bom isso!
Até tentei contato com a Raquel, porém não mora mais lá..
Se tiverem alguma indicação de hospedagem, poderiam entrar em contato conosco? Viajamos em dezembro.
(marinederpetrini@gmail.com)
Obs. Fiquei encantada com seus comentários e esta família linda! Continuem viajando muito!